Blog

12/dez

Sete alimentos que não são o que parecem e podem prejudicar a saúde e a dieta


Alguns alimentos são modificados pela indústria alimentícia para baratear o seu custo, porém, muitas vezes o consumidor desconhece estas alterações. Listamos abaixo sete alimentos que não são exatamente o que parecem, com algumas explicações que ajudarão você a escolher produtos que atendam melhor ao seu interesse e suas necessidades:

Cereja por chuchu
Cerejas em calda, algumas vezes, podem ser bolinhas de chuchu embebidas em groselha ao invés da fruta. “Isto é feito para baratear os custos, em média a cereja pode custar cerca de R$ 45,00 e o chuchu R$ 2,00 o quilo”, conta a nutricionista Rita Novais, especializada em nutrição clínica e Vigilância Sanitária de Alimentos.
A cereja é mais saudável por ser rica em antocianinas, que possuem ação antioxidante, e em fibras, que contribuem para melhorar o trânsito intestinal. “A substituição pelo chuchu não é interessante para a saúde devido à quantidade de açúcar e corantes que leva em sua preparação”, explica a nutricionista clínica Keli Coutinho.

Pipoca na manteiga por pipoca no óleo de soja
Algumas pipocas, inclusive as oferecidas no cinema, embora tenham cheiro de manteiga, são feitas com óleo de soja com aromatizante artificial. Porém, a boa notícia é que esta troca é positiva. “A pipoca feita com óleo de soja tem 55 calorias em uma xícara, enquanto a estourada com manteiga conta com 100 calorias na mesma quantidade. O óleo ainda é livre de colesterol e de gorduras trans e possui as gorduras saudáveis, monoinsaturadas e poli-insaturadas, e vitamina E”, conta Novais.
Uma opção saudável é preparar a pipoca na panela com apenas um fio de óleo vegetal, preferencialmente de linhaça ou de canola, e pouco sal. “O alimento é rico em fibras e substâncias antioxidantes que podem prevenir até alguns tipos de câncer”, conta Coutinho. Evite a pipoca de micro-ondas que é rica em gorduras trans, cujo consumo excessivo aumenta os níveis do colesterol ruim, LDL, e diminui o bom, HDL.

Suco por néctar ou refresco
O suco que você consome pode ser néctar ou refresco. A diferença é que o néctar conta com no mínimo 30% de polpa ou suco de fruta, enquanto o refresco possui entre 0,02% a 30% de polpa ou suco de fruta. Para ser considerado suco, a bebida deve ter ao menos metade da sua composição de frutas.
As versões do suco em pó, que normalmente são os refrescos, ou em caixinha, que costumam ser o néctar, devem ser evitadas. “Geralmente, além de não conter suco de fruta suficiente para ser considerado tal, estas bebidas ainda são ricas em açúcar, corantes, conservantes e em sódio”, observa Coutinho. Este último pode causar o aumento da pressão arterial quando consumido em excesso.

Chocolate por bombom
Para que o alimento seja considerado chocolate ao leite ele precisa ter pelo menos 25% de cacau. “Quando o alimento não atinge esta porcentagem ele é considerado um bombom”, explica a nutricionista Antônia Maria de Aquino, gerente de produtos especiais da Anvisa. Portanto, fique atento ao rótulo do produto.
O cacau proporciona uma série de benefícios para a saúde. “Este nutriente protege o coração, reduz os níveis de pressão arterial, previne diabetes, melhora o humor e as defesas do organismo”, conta Coutinho. Para conseguir todos esses benefícios é importante ingerir o chocolate amargo com pelo menos 70% de cacau.

Pão e biscoito integral pelas versões comuns
Ainda não há uma regulamentação sobre a quantidade mínima de farinha integral que precisa ser adicionada em pães e bolachas para que eles sejam considerados integrais. “Assim, o que existe hoje é que os alimentos podem ser denominados integrais com uma porcentagem mínima de farinha integral ou fibra de trigo. No momento em que formos rever esta resolução vamos avaliar essa questão e estabelecer uma porcentagem mínima”, conta a nutricionista Antônia Maria de Aquino, gerente de produtos especiais da Anvisa.
É importante ressaltar que pães, massas, bolos e bolachas não podem ser elaborados somente com a farinha integral, pois a preparação fica dura. Por isso, misturar as farinhas é o usual, o problema é quando o alimento passa a ser composto com grandes quantidades da versão refinada.

Iogurte grego por iogurte com espessantes
O iogurte grego original passa por diversos processos de filtração que resultam em um produto com maior quantidade de proteína e pouca gordura. No entanto, algumas versões industrializadas podem adicionar espessantes para deixar o alimento mais cremoso. “O problema são as opções que além dos espessantes, tem muito açúcar, creme de leite e leite integral, estes dois últimos tornam o produto rico em gorduras saturadas, que são prejudiciais à saúde”, conta a nutricionista clínica Keli Coutinho. Porém, o consumo de alimentos lácteos é importante para a saúde, pois eles são boas fontes de cálcio, nutriente necessário para a manutenção de ossos e dentes.
Kani kama com siri por kani kama com peixe
O Kani kama não é feito com a carne do siri. Na realidade, o alimento é elaborado com carne de peixe processada na qual é adicionado um aromatizante e um corante que imitam o sabor e a cor do siri. Esta preparação pode não ser interessante para a saúde. “O produto contém vários aditivos, entre eles corante cochinilha, açúcar e/ou adoçante, sal, polifosfato de sódio e glutamato monossódico, que segundo a Food and Drug Administration, dos Estados Unidos, quando ingerido em altas doses pode causar problemas como: fraqueza, perda de sensibilidade, formigamento, sonolência, pressão facial ou sensação de sufocamento, dor no peito ou dificuldade respiratória, cefaleia, náusea e palpitação cardíaca”, alerta Coutinho.
Portanto, quando estiver em um restaurante japonês invista nos sashimis de peixes como o salmão e o atum, ambos ricos em ômega 3, que contribui para a diminuição dos níveis de colesterol ruim, LDL, previne problemas cardíacos e derrame e melhora o aporte de nutrientes e oxigênio para o cérebro.

Compartilhe:
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on Pinterest