Blog

Oito motivos para incluir o feijão na dieta

Muita gente não vive sem o bom e básico feijão. É só ele faltar no cardápio por alguns dias, que a saudade aperta e a vontade de comê-lo começa a despertar saudade. Quem viaja para outro país, logo começa a sentir falta deste grão tão brasileiro e gostoso.

Além do sabor delicioso e a variedade de combinações possíveis no preparo, o feijão também é muito bem visto por especialistas da saúde, que apontam diversos motivos para incluí-lo no prato.

Conforme o relatório do Sistema Vigitel do Ministério da Saúde, o feijão aparece na lista de fatores de proteção contra câncer e outras doenças crônicas. Já o Guia Alimentar para a População Brasileira (BRASIL, 2005) recomenda a ingestão de, pelo menos, uma porção diária de feijão ou outra leguminosa, como ervilha seca, lentilha e soja. A boa reputação deve-se à grande quantidade de nutrientes que o alimento possui, resultando em benefícios para a dieta e para o corpo todo. Quer saber o que seu corpo ganha a cada porção? Os especialistas contam com detalhes.

Fonte de proteínas

As proteínas vegetais que o feijão fornece são formadas por aminoácidos chamados lisinas. “Como o corpo humano não consegue produzir esse tipo de proteína sozinho, é preciso incluir o feijão e outros alimentos na dieta que forneçam esse nutriente”, afirma a nutricionista Juliana Menezes, de São Paulo. Ela conta que as proteínas são essenciais para a saúde dos tecidos do corpo (osso, pele, órgãos e músculos).

No entanto, a nutróloga e reumatologista Sylvana Braga, de São Paulo, lembra que o feijão não pode ser a única fonte de proteínas da dieta. “As melhores fontes do nutriente são carnes em geral e laticínios”, afirma. De acordo com a Tabela de Composição Química dos Alimentos da Unifesp, 100 gramas de feijão cozido apresentam 8,6 gramas de proteína. Já 100 gramas de peito de frango cozido possuem 31 gramas.

Ajuda a prevenir cáries

Um estudo da Faculdade de Odontologia de Piracicaba da Unicamp (SP) aponta que o casamento de arroz e feijão proporciona uma dose diária de flúor que pode ajudar no controle de cáries nos dentes. Os pesquisadores acreditam que esses alimentos absorvem o flúor presente na água tratada que costumamos utilizar para o preparo. Esse mineral fica concentrado na saliva de quem consome o arroz e o feijão, aumentando a proteção dos dentes.

Controle do peso


Desde que consumido com moderação, inserir o feijão em uma dieta balanceada pode ajudar no emagrecimento, mas lembre-se que o alimento é rico em carboidratos e pode engordar – 100 gramas apresentam 22 gramas do nutriente, semelhante à quantidade encontrada no arroz (28 gramas). O feijão leva vantagem por ter boas quantidades de fibras: 6,4 gramas na mesma porção. “Depois de ingeridas, essas fibras formam um gel e permanecem mais tempo no estômago, aumentando a sensação de saciedade”, explica Juliana Menezes. Dessa forma, você vai demorar mais para sentir fome.

Contra o intestino preso

As fibras são famosas por aumentarem o volume das fezes, dando um empurrãozinho para o intestino funcionar melhor. A nutricionista Juliana ainda traz mais um benefício: as fibras solúveis presentes no feijão servem de base para a formação de substâncias chamadas ácidos graxos de cadeia curta (AGCC). “Eles fornecem energia para que as células do intestino desempenhem bem as suas funções”, afirma.

Diabetes

Esta é mais uma vantagem das fibras do feijão: fazer com que a glicose presente nos alimentos seja absorvida aos poucos. “Dessa forma, não há picos de hiperglicemia e o paciente de diabetes consegue manter a glicemia estável por mais tempo”, explica Juliana Menezes.

Previne câncer e doenças degenerativas


A nutricionista Mariana Exel, do Hospital Samaritano de São Paulo reforça que o feijão é fonte de compostos fenólicos, substâncias antioxidantes que ajudam a reduzir o risco de alguns tipos de câncer, doenças degenerativas e problemas cardiovasculares. “As fibras do feijão ajudam a combater a obesidade e controlar os níveis de colesterol e de glicemia do sangue, problemas que aumentam as chances de doenças crônicas” explica.

Fonte de minerais

Por ser rico em ferro, o feijão é uma das principais armas do combate à anemia ferropriva, que é a diminuição do número de células vermelhas (hemoglobina) do sangue causada pela falta do mineral. “Sem hemoglobinas, o sangue não consegue transportar oxigênio para que as células do corpo produzam energia”, afirma Mariana Exel. O grão também contém boas quantidades de zinco e magnésio. O primeiro é importante para inúmeras reações químicas que ocorrem no organismo e a sua falta pode causar desde problemas de memória e até convulsões. “Já o magnésio é fundamental para a saúde dos ossos, músculos, cérebro e sistema nervoso”, conta a nutricionista do Hospital Samaritano.

Vitaminas do complexo B

Entre as vitaminas presentes no feijão, há destaque para o folato, também chamado de ácido fólico e vitamina B9. “Esse nutriente é muito importante durante a gestação para evitar deformidades no feto”, afirma Mariana Exel. Segundo a nutricionista, a falta dessa vitamina pode causar alterações de humor e até anemia, com sintomas parecidos ao da anemia ferropriva, como cansaço e fraqueza. Uma porção de 100 gramas de feijão contém aproximadamente 130 microgramas de ácido fólico.  

Por Letícia Gonçalves

Via: Minha Vida


Compartilhe:
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInPin on Pinterest